Pular para o conteúdo principal

Big Brother e a crise

Timothy Geithner, secretário do Tesouro dos EUA (acima), escreveu um artigo no “Financial Times” (*) antecipando as posições daquele país na reunião do G-20. Vale a pena conhecer o pensamento do cara, até por que ele expressa o rumo adotado pela maior economia do mundo.

Para Geithner, há um ano o mundo vivia com endividamento excessivo que quase leva o sistema financeiro mundial ao colapso, o que teria efeitos devastadores para a economia. Trilhões de dólares foram usados para evitar isso e os diversos governos instauraram sistemas de segurança para limitar os efeitos da crise.

Segundo o secretário, as instituições financeiras precisam de regulação, reservas e margem de capital proporcionais aos riscos e capacidade de absorver prejuízos sem recorrer ao Tesouro. Ele afirma que a estrutura regulatória fracassou devido à subestimação dos riscos por parte dos governos e do mercado.

As organizações financeiras, ainda segundo Geithner, operavam com baixo nível de capitalização, dependentes de instáveis operações de curto prazo e recompensavam seus executivos pelos ganhos com altas dosagens de riscos. Isso tornou o sistema financeiro mundial perigosamente frágil.

Na reunião do G-20, o secretário de Tesouro dos EUA vai defender uma nova estrutura regulatória para proteger os consumidores e investidores e garantir maior estabilidade financeira. Para tanto, será preciso: a) regulamentação mais severa dos derivativos, dos mercados de securitização (**)e das agências de classificação de crédito e b) dotar os governos de ferramentas mais poderosas para liquidar empresas falidas.

O objetivo é proteger o sistema financeiro e não as empresas individualmente e criar regras para reduzir as tendências pró-cíclicas do capitalismo. A modernização da estrutura regulatória daria suporte ao sistema financeiro para assimilar quebras de instituições grandes e complexas.

Resumo da ópera: os EUA querem salvar o capitalismo, mesmo que para isso tenham que jogar alguns capitalistas, mesmo poderosos, ao fundo do mar. Pior: dizem que problemas de magnitude tal só ocorreram por problemas de regulação e gestão. Com o novo marco regulatório, reinicia-se a farra financeira, até que uma nova crise sobrevenha…

(*) íntegra do artigo na Folha de São Paulo deste sábado, 5 de setembro.

(**) Securitização é transformar um recibível em títulos negociáveis e vendê-los a investidores.

Postado por nivaldosantana | 8 de setembro de 2009 | Arquivado em Sem categoria | Deixe um Comentário

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Médica acreana presa em Pernambuco A médica acreana Alessandra Bréa Moreno Dantas foi presa pela Polícia Federal na sexta-feira (1), em Caetés (PE). Após concluir o curso de medicina em Pinar del Rio, com bolsa do governo de Cuba, voltou ao Acre, onde em diversas ocasiões procurou a Universidade Federal do Acre (Ufac) para tentar se regularizar. Como todos sabem, os médicos formados no exterior sempre foram tratados com preconceito e descaso por um grupo da Ufac. Alessandra Bréa tinha conquistado na Justiça o direito de trabalhar com registro provisório do Conselho Regional de Medicina (CRM). Como o registro expirou, a médica teve que deixar o Acre após a proibição de trabalhar também com um Termo de Ajuste de Conduta. Ela já havia conseguido revalidar seu diploma pela Universidade Federal do Ceará, mas aguardava a burocracia enquanto fazia plantões em Caetés. Infelizmente, Alessandra Bréa foi surpreendida pela Polícia Federal, após denúncia do CRM de Pernambuco, acusada de exe…
ÚLTIMAS DE MUNDOCasa Branca proíbe 'NY Times', CNN e BBC de ir a coletiva de imprensa24/02/2017 16:44Juiz é designado para investigar candidato à Presidência da França24/02/2017 16:30Obama é celebrado por multidão ao aparecer de surpresa em Nova York24/02/2017 16:25Colisão de dois ônibus mata 13 pessoas e fere 34 na Argentina24/02/2017 16:04 RIO — Um documento de 35 páginas vazado pela imprensa americana na terça-feira contém supostas revelações constrangedoras sobre o republicano Donald Trump. O relatório — que teria sido escrito por um ex-agente britânico em caráter confidencial — não teve sua veracidade comprovada oficialmente, mas gerou uma forte polêmica nos EUA. Dentre as alegações no documento, estão supostas atividades sexuais do magnata nova-iorquino e detalhes sobre a sua relação com as autoridades russas antes mesmo de ser eleito presidente dos Estados Unidos. Logo após a divulgação do material, a Rússia negou ter informações comprometedoras sobre Trump. O republic…

Total de Artigos e Comentários no ContextoLivre