Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2011

SEGUNDA-FEIRA 29 AGOSTO RNW - NEWS, ANALYSIS AND BACKGROUND IN 10 LANGUAGES, WORLDWIDE 24 HOURS A DAY, ON RADIO, TELEVISION AND THE INTERNET.

Página InicialHolandaDossiêsProgramasVídeosEspeciais
Map Hip hop: arma contra o poder estabelecidoData de publicação : 28 Agosto 2011 - 9:32am | Por Rafaël Thiébaut (Still do vídeo 'Fight the Power') Assuntos relacionados:

Primeiro Festival Internacional de Hip Hop da Lusofonia adiado para Setembro

Primeiro Festival Internacional de Hip Hop da Lusofonia adiado para Setembro
Luanda – O primeiro Festival Internacional de Hip Hop da Lusofonia será realizado apenas nos próximos dias 16 e 17 de Setembro deste ano, em Luanda, sob o lema “Juntos no Combate às Drogas e a Delinquência no espaço Lusófono”.

Em declarações à Angop, Abraão dos Reis, coordenador do festival, realçou que o evento foi adiado porque os músicos internacionais convidados mostraram disponibilidade de actuar apenas nos dias de 16 e 17 de Setembro.

Acrescentou que o evento realizado neste sábado as entradas foram grátis. Os que compraram os bilhetes de ingresso para o primeiro Festival Internacional de Hip Hop da Lusofonia poderão utilizar nas datas marcadas.

Segundo Abraão dos Reis, o festival tem como propósito homenagear a Presidência de Angola na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

E ainda apoiar “o combate às drogas e à delinquência no seio da juventude nos países da CPLP; o combate…

Briga nos bailes aumenta preconceito

Marcela Munhoz
Diário do Grande ABC0 comentário(s)A discriminação é problema antigo, assim como ocorreu (e ainda ocorre) com samba, rap e hip hop, segundo Silvio Essinger, jornalista e autor do livro Batidão - Uma História do Funk. Vem da época em que os bailes viraram desculpa para brigas, o que ainda acontece. Tanto que há discussões na Assembleia Legislativa de lá sobre os batidões nas favelas. "O governo e as prefeituras tentaram esconder o funk, mas só conseguiram marginalizá-lo. Proibir, vetar e prender funkeiros é absurdo", afirma MC Leonardo, que sonha em levar o movimbento a outro patamar. "Queremos respeito". Segundo o MC, há funk de todo tipo e não dá para generalizar. "Há os que fazem apologia ao crime (estilo chamado Proibidão), mas não são todos. Trata-se de uma manifestão cultural brasileira legítima", explica Silvio. Funkeiros do Proibidão dizem que só relatam a realidade, o que não significa apologia. Já o teor sensual é uma das ca…

Assiste Raúl Castro à gala de escritores e artistas cubanos

Dom, 21 de Agosto de 2011 12:11
Camila Carduz, na Prensa Latina
O presidente cubano, Raúl Castro, assistiu à gala cultural pelo 50 aniversário da União de Escritores e Artistas de Cuba (Uneac), celebrada na sala García Lorca do Grande Teatro de Havana.
Em suas palavras de abertura ontem, o escritor Miguel Barnet, quem preside essa organização, destacou como esta promove o melhor da cultura cubana e se manteve fiel aos princípios traçados pela Revolução e seu líder histórico, Fidel Castro, quem em suas Palavras aos intelectuais em 1961 alimentou o espírito de unidade.
Ao referir-se à gênese fundacional da Uneac, indicou que esta uniu os escritores e artistas que viviam no esquecimento e num estado de desamparo social, e conseguiu o acordo de uma heterogênea massa de criadores.
Também se referiu ao processo de aperfeiçoamento impulsionado nos últimos anos e ao espírito de transparência que a caracterizou em seu meio século de existência, "garantia de um diálogo ple…

em..

Em Entrevista a Folha Mano Brown Fala Sobre o filme Marighella , Criolo, Emicida ,Kassab ,Alckmin e Claro Disco Novo de Anderson "Hebreu" Wanezza Soares/Folhapress Folha - Por que aceitou o convite de participar de "Marighella"?
Mano Brown - O convite chegou através do movimento negro. Algum cara do rap já tinha me falado sobre ele, eu conhecia de longe, só a lenda, pois é algo de não sei quantas gerações atrás. Alguém me falou também que em algum detalhe ele parecia comigo. Na luta dele, na idéia. Somos os dois filhos de preto com italiano e minha família também vem da Bahia.



Quais os paralelos entre suas ideias? Marighella lembra Malcom X, lembra Public Enemy, lembra Racionais. Muito do que cantamos no rap provavelmente veio dele. Por exemplo, o conceito da violência contra a violência. A luta dele vem de uma época em que não podia ter eleição direta, toda hora tinha golpe. Ele foi proibido de correr pelo certo. Resolveu usar a força pois só isso resolveria. Em que medi…

...

O Crime Não Tem Face
 Não seja mais um na mira da morte.......................  Na cultura vc encontra seu… Continuar

O PODER DA EDUCAÇÃO

Grandioso poder transformador
Ao saber dá mais legitimidade
Equilíbrio à personalidade
Enobrece a pessoa aonde for
É quem faz aumentar cada valor
É riqueza maior do cidadão
Qualquer tempo e qualquer ocasião
Ela dá para a vida um bom comando
É PRECISO SEGUIR ACREDITANDO
NO ENORME PODER DA EDUCAÇÃO.

Deveria ser bem reconhecida
A ciência que mais nos orienta
É a pedra angular que fundamenta
O mais firme alicerce para a vida
O ensinamento consolida
O caráter e a reputação
Por um povo educado em ação
Os caminhos do mundo vão mudando
É PRECISO SEGUIR ACREDITANDO
NO ENORME PODER DA EDUCAÇÃO.

Professores, educadores, pais
Do processo vocês são os agentes
Então devem ser sempre persistentes
Enfrentando os problemas atuais
Educar foi difícil e hoje é mais
É tarefa que exige prontidão
Paciência e abnegação
Em estradas sombrias caminhando
É PRECISO SEGUIR ACREDITANDO
NO ENORME PODER DA EDUCAÇÃO.

É preciso esforço e competência
É preciso políticas de incentivo
É preciso um bom plano educativo
É pr…

Em Cuba Simpósio Internacional de hip hop

Havana,18 jul (Prensa Latina) Quase 70 artistas do Canadá, Estados Unidos, Haiti, Colômbia, França e Cuba assistem desde hoje aqui ao Simpósio Internacional de Hip Hop, que será realizada até próximo domingo 21.


  Considerado um encontro teórico de maior envergadura para os cultores deste pujante movimento na ilha, participam, entre outros, os canadenses Lou Piensa e Vox Sambou; os haitianos Mackend, Elli Manboungou e Enide Edouarin e os cubanos Inay Rodríguez Agramonte e Orlando Ochoa Méndez.


O foro dará abrigo a numerosos expoentes das quatro manifestações artísticas da cultura hip hop: rap, breakdance, DJ e graffiti.


Segundo o programado funcionarão oficinas orientados a promover os valores fundacionais desta expressão cultural, debater sobre as problemáticas que impedem uma maior projeção de suas cultores e encontrar estratégias para que as mulheres desempenhem um papel mais protagônico no movimento.


Este último aspecto tem constituído um dos principais reclamos das raperas nas difere…