Pular para o conteúdo principal

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Paulo Henrique Amorim acusa TV Globo de "antecipar" declaração de senador sobre apagão


Copiado do Blog BRASIL! BRASIL! , do Nogueira Jr., que está em Minhas Notícias.

Visitem este Blog.
brigado,
Saraiva

Paulo Henrique Amorim acusa TV Globo de "antecipar" declaração de senador sobre apagão
Redação, Portal IMPRENSA“Nesta quinta-feira (12), o jornalista Paulo Henrique Amorim criticou, em seu blog, uma reportagem exibida na última quarta-feira (11) no"Jornal Nacional". Na matéria, a jornalista Delis Ortiz ouviu senadores sobre o apagão que ocorreu na noite da última terça (10) em 18 estados brasileiros.Segundo Amorim, a jornalista "foi ouvir dos senadores o que seu chefe mandou que ela ouvisse sobre o blecaute".
Para ele, ela inaugurou uma "nova era no Jornalismo", "antes de ouvir o entrevistado, o repórter diz o que o entrevistado vai dizer e o entrevistado não diz o que o entrevistador disse que ele diria".Delis afirmou, antes de entrevistar o senador Aloizio Mercadante (PT), que ele "reconheceu que falta investimento e culpou o mau tempo pelo apagão".
No entanto, ao ser entrevistado, Mercadante declarou que "não há risco de oferta de energia, ninguém vai ter que fazer racionamento, não vai faltar energia. O Brasil está preparado para crescer com oferta abundante de energia"."
Na seqüência, o governador Zé Chirico e o Ministro Tarso Genro completam o relato, e nada de Aloizio Mercadante reconhecer que faltou investimento ou culpar o mau tempo pelo blecaute, como antecipara Delis", disse Paulo Henrique Amorim.”
Enviada por: Nogueira Jr. / 00:46 0 Comentários
* ,

São Bartolomeu, a longa noite tucana


Copiado do Blog do FAVRE, Luis Favre, que está em Minhas Notícias.
Visitem este Blog.
Obrigado,
Saraiva
13/11/2009 - 06:54h
São Bartolomeu, a longa noite tucana
Gilson Caroni Filho – Carta Maior
Ao querer transformar a queda de energia, causada por uma falha tripla nas linhas de transmissão de Furnas, no “apagão do governo Lula”, a oposição, com apoio da grande imprensa corporativa, mostra a estreita margem de ação que restou ao antigo bloco de poder do governo tucano. Reacender o Clube da Lanterna, fundado por Carlos Lacerda, em 1953, para combater o governo Vargas só amplia o blecaute em que vive a direita após duas derrotas em eleições presidenciais. De antemão é uma aposta perdida. Uma comemoração tão grotesca quanto fugidia.
Quando lideranças do PSDB, DEM e PPS se unem no Congresso para dizer que o episódio serviu para demonstrar o fracasso da política energética do governo petista, o discurso político cede lugar à farsa burlesca, ao lançamento inoportuno de afirmações que, por grotescas, surtem efeito contrário ao pretendido por seus autores. Rememoram um passado recente, estabelecendo padrões de comparação que lhes são extremamente desfavoráveis. Mais uma vez, a direita, ignorando a posição em que se encontra, mira no horizonte e atira no próprio pé. Um embuste que ignora a massa crítica acumulada por diversos debates sobre crise energética no governo anterior. Em todos há um denominador comum: a responsabilidade pela ineficiência de energia elétrica se devia a erros de gestão da então administração federal.
Em 2001, o BNDES publicou “O Cenário Macroeconômico e a Oferta de Energia Elétrica no Brasil”. O documento, um alentado estudo dos economistas Joana Gostkorzewicz e Fábio Giambiagi, alertava que as dificuldades para a oferta de energia elétrica eram conseqüência direta da política de transição de um modelo gerenciado até então pelo Estado para a iniciativa privada. O açodamento entreguista deixava explícitas as “insuficiências do novo marco regulatório, bem como a ausência de articulação entre os vários órgãos governamentais, responsáveis pelo setor de energia.”
Concluindo a análise, o estudo reconhecia que “nos últimos anos, os recursos das empresas estatais, ainda amplamente dominantes na geração e transmissão, foram prioritariamente destinados para o saneamento financeiro das empresas e, portanto, para a preparação das privatizações. Tendo as empresas estatais deixado de investir pelas razões apontadas acima e o setor privado não encontrado ambiente seguro para substituir as estatais, devido às debilidades dos novos marcos, pavimentou-se o caminho para o desastre.”
O estudo, feito por órgão do Governo Federal, era categórico no diagnóstico: “O setor elétrico brasileiro possui um desenho próprio que o torna inadequado à operação por empresas privadas”. Se em 2001, os reservatórios estavam quase secos e a inexistência de linhas de transmissão impedia o manejo de geração, a causa determinante para o racionamento de energia foi a implementação de uma política privatista que aprofundou a queda da produção, reduziu a arrecadação tributária e alimentou o processo inflacionário, mantendo a fragilidade do Brasil em relação à economia internacional.
Quando Lula destaca os investimentos feitos pelo governo nos últimos sete anos, dizendo que “nesse período, foram construídas 30% das linhas de transmissão feitas em 123 anos no país”, não fala apenas de números relativos a um setor. O passo é maior. O que é anunciado é a retomada de decisões fundamentais para o desenvolvimento, deixadas em segundo plano, nos oito anos de gestão neoliberal. O que norteia a ação governamental é a criação de mecanismos que possibilitem ao Estado retomar seu papel de indutor do desenvolvimento nacional.
Comparar o blecaute de 10 de novembro de 2009 ao longo tempo das trevas que vigorou no país entre junho de 2001 e fevereiro de 2002 é um apagão histórico bem típico de uma elite que não soube atualizar as linhas de transmissão do seu ideário. Um autêntica confissão pública de fé no modelo monetarista-liberal que impossibilitou o crescimento econômico, aumentou as desigualdades e enfraqueceu as instituições políticas. A noite de São Bartolomeu deseja revisitar os huguenotes que ousaram sobreviver.
Gilson Caroni Filho é professor de Sociologia das Faculdades Integradas Hélio Alonso (Facha), no Rio de Janeiro, colunista da Carta Maior e colaborador do Jornal do Brasil
Postado por Luis FavreComentários Tags: , , , , , , ,

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

VAMOS ACABAR COM O DESMATAMENTO DA AMAZONIA E CONSERVAR A MACONHA

Casa de maconha é opção contra aquecimento global
No terceiro relatório divulgado pelas Nações Unidas sobre o aquecimento global, a construção de residências com tecnologia auto-sustentável foi considerada importante no conjunto de ações ambientalmente corretas. As "casas verdes", que usam tecnologia auto-sustentável tanto em sua estrutura externa como interna, seriam uma boa opção para diminuir os efeitos nocivos da indústria da construção civil.

Painéis solares que absorvem e geram energia para dentro dos cômodos, e paredes feitas de areia e água do mar são idéias que já começam a ser usadas em alguns países. Segundo o professor de arquitetura Tom Woolley, da Queen's University, em Belfast – capital da Irlanda do Norte, a folha do cânhamo – usada para produzir a maconha – é uma das alternativas para a construção de moradias, pelo seu baixo custo e sua característica auto-sustentável. Woolley afirmou que apenas um hectare da plantação é suficiente para construir uma ca…
Médica acreana presa em Pernambuco A médica acreana Alessandra Bréa Moreno Dantas foi presa pela Polícia Federal na sexta-feira (1), em Caetés (PE). Após concluir o curso de medicina em Pinar del Rio, com bolsa do governo de Cuba, voltou ao Acre, onde em diversas ocasiões procurou a Universidade Federal do Acre (Ufac) para tentar se regularizar. Como todos sabem, os médicos formados no exterior sempre foram tratados com preconceito e descaso por um grupo da Ufac. Alessandra Bréa tinha conquistado na Justiça o direito de trabalhar com registro provisório do Conselho Regional de Medicina (CRM). Como o registro expirou, a médica teve que deixar o Acre após a proibição de trabalhar também com um Termo de Ajuste de Conduta. Ela já havia conseguido revalidar seu diploma pela Universidade Federal do Ceará, mas aguardava a burocracia enquanto fazia plantões em Caetés. Infelizmente, Alessandra Bréa foi surpreendida pela Polícia Federal, após denúncia do CRM de Pernambuco, acusada de exe…

Rio das Ostras promove I Fórum sobre Culturas Indígenas

Em comemoração ao Dia do Índio, 19 de abril, Rio das Ostras terá um evento que promete deixar os moradores mais próximos da realidade desses nossos precursores. Nos dias 18 e 19 de abril (sábado e domingo), o Núcleo de Educação Ambiental (Neam) do município promove a primeira edição do Fórum sobre Culturas Indígenas. A programação tem abertura às 14h de segunda-feira, com uma expedição ambiental ao Sítio Arqueológico Sambaqui da Tarioba. No restante do dia também haverá palestras e exibição de filmes sobre a vida de alguns povos indígenas que já habitaram o município.
O evento ajudará a manter viva a memória dos antigos habitantes da região, os índios Goytacazes. De acordo com o antropólogo da Fundação Rio das Ostras de Cultura, Jorge Pinheiro, há cerca de 500 todo o Norte Fluminense era habitado por tribos indígenas, que desapareceram no século XVII, por causa da epidemia de varíola. O pesquisador ainda indicou o passeio pelo Sítio Arqueológico Sambaqui da Tarioba. O lo…