Pular para o conteúdo principal

Rap e cultura em show beneficente no Guamá


Coletivo de grafiteiros do bairro do Guamá organiza neste domingo (17) um show beneficente em prol do bairro. A ideia da 1ª Ação Social do Metal Arte Studio partiu após a fama imputada ao Guamá de ser um bairro bastante violento.
Sandro Metal é grafiteiro. Pela profissão que escolheu, sempre teve que conviver com certo preconceito. “É aquele lance, confundem com pichação, vandalismo. Fazer o quê?”, desabafa. Depois de dez anos trabalhando no mercado de Belém como artista gráfico, ele gradualmente ganhou o merecido respeito, estabelecendo sua marca através do Metal Arte Studio. Localizado no bairro do Guamá, o espaço surgiu através da reunião de Sandro com outros profissionais do grafite e da pintura, para desenvolver trabalhos comercias como pintura de faixas, muros, banners, logomarcas e serigrafia.

Mas tinha algo que ele não aceitava: o estigma que carregava a sua vizinhança. Classificada como uma área vermelha pelas autoridades, termo que caracteriza as regiões da Região Metropolitana de Belém com grandes índices de criminalidade, o Guamá é via de regra retratado na mídia por assaltos, violência ou tráfico de drogas. “Existe muita gente boa aqui. Muita coisa positiva acontecendo. Só que não tem espaço, fica perdido no meio das coisas ruins que ganham destaque. Fico doente com isso. Sério, até arriei na cama de tanta preocupação. Para fazer o bem é uma dificuldade, agora, o mal, é num estalo”, conta o grafiteiro.

Foi em meio a essa inquietação que os integrantes do estúdio bolaram a ideia da 1ª Ação Social do Metal Arte Studio. O evento beneficente que acontece neste domingo (dia 17) irá reunir os grupos de rap Trilha do Canal e Revolução do Norte, e a discotecagem do regueiro DJ Vitor Pedra. Além disso, serão oferecidas oficinas gratuitas de aerografia, grafite e desenho, e cortes de cabelo para a população.

O evento é uma produção independente, realizada através do Metal Arte Studio, o coletivo Nação Hip Hop Pará e a União Juventude Socialista (UJS), com apoio da empresa Copala, do Salão Pink e dos moradores do local. “É uma grande mobilização das pessoas do bairro. Cada um ajudou como pôde: uns deram tinta, outros cadeiras, tem gente ajudando na montagem do palco”, diz Alexandre Blanco, o “Vírgula”, 28 anos, integrante do estúdio.

Além de “Vírgula”, que trabalha na administração do Metal Arte Studio, o estúdio é composto por Eduardo, especializado em pintura, Metal, com grafite e aerografia, Samuel, com textura, Mike, com serigrafia, e Marceli, com design gráfico. “Funcionamos mais como uma reunião de brothers, um coletivo de artistas, do que uma empresa”, define “Vírgula”.

Em 2008, o estúdio transformou-se em um centro de artes e espaço de convivência para os moradores da região. O local conta com uma pista de skate, onde são oferecidos cursos do esporte para crianças do bairro. Além disso, disponibiliza um pequeno estúdio para ensaios para grupos de rap.
PARCERIAS

Um dos parceiros e beneficiados pelo projeto é o grupo de rap Trilha do Canal. Formado em 2008, no bairro da Cremação, pelos MCs Brown e Alan e o DJ Vitor Pedra, o grupo faz uma mistura de reggae e hip hop em seu som e ensaia periodicamente no local. O Metal Studio possui amplificadores, mesa de som e microfones, que, além das bandas, fica à disposição para a associação de bairros do local e outros parceiros, como o grupo de capoeira Dandara Bambula, que utiliza o equipamento para treinos.

“Somos parte de uma grande irmandade”, afirma Vitor Pedra, 30 anos. “O Metal Studio é o único lugar disponível para a galera do Hip Hop na cidade. Isso é importantíssimo se você levar em consideração que esses grupos vêm da periferia e não contam com grana nem acesso a equipamentos”, explica.



SERVIÇO

A 1ª Ação Social do Metal Arte Studio, com os grupos Trilha do Canal , Revolução do Norte e DJ Vitor Pedra, acontece hoje (dia 17), das 8h às 13h, no Metal Arte Studio (José Bonifácio, 2725, entre Santa Fé e Serrão. Guamá). Serão oferecidas oficinas gratuitas de aerografia, grafite, e desenho, além de cortes de cabelos para 200 pessoas. Informações: 8816-9882/ 8858-1781/8104-8793.
(Diário do Pará)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Médica acreana presa em Pernambuco A médica acreana Alessandra Bréa Moreno Dantas foi presa pela Polícia Federal na sexta-feira (1), em Caetés (PE). Após concluir o curso de medicina em Pinar del Rio, com bolsa do governo de Cuba, voltou ao Acre, onde em diversas ocasiões procurou a Universidade Federal do Acre (Ufac) para tentar se regularizar. Como todos sabem, os médicos formados no exterior sempre foram tratados com preconceito e descaso por um grupo da Ufac. Alessandra Bréa tinha conquistado na Justiça o direito de trabalhar com registro provisório do Conselho Regional de Medicina (CRM). Como o registro expirou, a médica teve que deixar o Acre após a proibição de trabalhar também com um Termo de Ajuste de Conduta. Ela já havia conseguido revalidar seu diploma pela Universidade Federal do Ceará, mas aguardava a burocracia enquanto fazia plantões em Caetés. Infelizmente, Alessandra Bréa foi surpreendida pela Polícia Federal, após denúncia do CRM de Pernambuco, acusada de exe…

Rio das Ostras promove I Fórum sobre Culturas Indígenas

Em comemoração ao Dia do Índio, 19 de abril, Rio das Ostras terá um evento que promete deixar os moradores mais próximos da realidade desses nossos precursores. Nos dias 18 e 19 de abril (sábado e domingo), o Núcleo de Educação Ambiental (Neam) do município promove a primeira edição do Fórum sobre Culturas Indígenas. A programação tem abertura às 14h de segunda-feira, com uma expedição ambiental ao Sítio Arqueológico Sambaqui da Tarioba. No restante do dia também haverá palestras e exibição de filmes sobre a vida de alguns povos indígenas que já habitaram o município.
O evento ajudará a manter viva a memória dos antigos habitantes da região, os índios Goytacazes. De acordo com o antropólogo da Fundação Rio das Ostras de Cultura, Jorge Pinheiro, há cerca de 500 todo o Norte Fluminense era habitado por tribos indígenas, que desapareceram no século XVII, por causa da epidemia de varíola. O pesquisador ainda indicou o passeio pelo Sítio Arqueológico Sambaqui da Tarioba. O lo…
Tudo ou nada" "Não quero ter ninguém contra a vontade.
Não quero ter ninguém só vez em quando.
Não quero ter ninguém com falsidade.
Não quero ter ninguém me incriminando.
Não quero ter ninguém pela metade.
Não quero ter ninguém se lamentando.
Não quero ter ninguém por vaidade.
Não quero ter ninguém me espionando.
Só quero ter alguém se for completo, onde os dois tenham o máximo prazer.
Algo claro, translúcido, direto.
Sem o medo d'alguma coisa errada.
Sem mentiras ou segredos pra esconder.
...E se não for assim!... Não quero nada..."