Pular para o conteúdo principal

HIP HOP LUZ...

 

De Rio Preto para o mundo e com grandes participações, MC Gra prepara o lançamento do primeiro álbum, neste mês; proposta é manter-se nas raízes do rap e fugir do que o mercado fonográfico procura

Divulgação MC Gra em ensaio fotográfico para álbum de estreia; artista viajou por todo o país para trazer produtores e participações especiais para o primeiro disco, o “Só Termina Quando Acaba” MC Gra em ensaio fotográfico para álbum de estreia; artista viajou por todo o país para trazer produtores e participações especiais para o primeiro disco, o “Só Termina Quando Acaba”
Agência BOM DIA
Entre um projeto e outro, a cantora MC Gra, nascida em Rio Preto, consegue mais destaque na mídia nacional. Com 28 anos, o primeiro clipe dela (da música “Pra Frente”) foi veiculado na MTV e está  no top 10 dos vídeos  mais vistos do site de www.rapnacional.com.br.
A artista, que atualmente grava em São Paulo seu segundo clipe, conversou por telefone com o BOM DIA sobre o primeiro álbum, “Só Acaba Quando Termina”, previsto para ser lançado neste mês. “Fico feliz com tudo o que está acontecendo”, diz.
O álbum conta com oito faixas e grandes nomes do gênero, como KL Jay (DJ do grupo Racionais MC's), Luiz Café, MPC e Nelson Viana (Ragga). “Nunca se juntou tantos grandes nomes para produzir um álbum de rap nacional”, comemora.
MPC produziu a faixa que dá origem ao novo clipe: “Simplesmente”, faixa com pegadas de reggae e  que sugere a mistura de gêneros. “Temos de ouvir de tudo, a música é universal”, acrescenta. Apesar disso, ela procura se manter íntegra na proposta do hip-hop, de compor letras sócio-educativas a jovens.
“Muitos artistas do gênero estão se adaptando para gravadoras”, lamenta. Ela tem propriedade para falar isso. Nascida Graziella Cristina Figueiredo Rillo, aprendeu violão com 12 anos e começou na música em outro  estilo: o punk-rock. “Depois notei que o rap é a forma brasileira de protestar. Isso junto com  a contracultura da capoeira (esporte que a artista é pentacampeã pelos jogos regionais)”, diz.
Sobre a cidade natal, a artista se diz distante do que acontece, já que se mudou para Florianópolis e viaja pelo país para a produção do álbum. “São poucos que se mantivem fazendo rap, só os resistentes.”
No último show em que deveria se apresentar na cidade, na 6ª Semana do Hip-hop (março deste ano), não chegou a concluir nem à segunda música. O motivo é que o lugar não tinha estrutura e alvarás necessários  para apresentações à noite, causando a intervenção da polícia e a paralisação do show. “Não tinha segurança e policiamento. Foi uma vergonha”, desabafa. “A prefeitura deveria ter dado estrutura ao evento. Tivemos  de imprimir, por meios próprios panfletos de qualidade.”
Apesar de ser um evento relacionado à prefeitura e com decreto de lei municipal de 2005, a Secretaria de Cultura, por meio da assessoria, informou que só estava proposto a ajuda na parte do som e que a lei prevê colaboração dos organizadores. Um desses, Wanderson José Ferini, diz que a obrigação do alvará é do Centro de Cultura Vasco da Gama. “O show foi interrompido por causa do barulho durante a noite, mas no dia seguinte o evento ocorreu normalmente.”
Álbum conta com oito faixas e participações como KL Jay, DJ do grupo Racionais MC's

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Médica acreana presa em Pernambuco A médica acreana Alessandra Bréa Moreno Dantas foi presa pela Polícia Federal na sexta-feira (1), em Caetés (PE). Após concluir o curso de medicina em Pinar del Rio, com bolsa do governo de Cuba, voltou ao Acre, onde em diversas ocasiões procurou a Universidade Federal do Acre (Ufac) para tentar se regularizar. Como todos sabem, os médicos formados no exterior sempre foram tratados com preconceito e descaso por um grupo da Ufac. Alessandra Bréa tinha conquistado na Justiça o direito de trabalhar com registro provisório do Conselho Regional de Medicina (CRM). Como o registro expirou, a médica teve que deixar o Acre após a proibição de trabalhar também com um Termo de Ajuste de Conduta. Ela já havia conseguido revalidar seu diploma pela Universidade Federal do Ceará, mas aguardava a burocracia enquanto fazia plantões em Caetés. Infelizmente, Alessandra Bréa foi surpreendida pela Polícia Federal, após denúncia do CRM de Pernambuco, acusada de exe…

Rio das Ostras promove I Fórum sobre Culturas Indígenas

Em comemoração ao Dia do Índio, 19 de abril, Rio das Ostras terá um evento que promete deixar os moradores mais próximos da realidade desses nossos precursores. Nos dias 18 e 19 de abril (sábado e domingo), o Núcleo de Educação Ambiental (Neam) do município promove a primeira edição do Fórum sobre Culturas Indígenas. A programação tem abertura às 14h de segunda-feira, com uma expedição ambiental ao Sítio Arqueológico Sambaqui da Tarioba. No restante do dia também haverá palestras e exibição de filmes sobre a vida de alguns povos indígenas que já habitaram o município.
O evento ajudará a manter viva a memória dos antigos habitantes da região, os índios Goytacazes. De acordo com o antropólogo da Fundação Rio das Ostras de Cultura, Jorge Pinheiro, há cerca de 500 todo o Norte Fluminense era habitado por tribos indígenas, que desapareceram no século XVII, por causa da epidemia de varíola. O pesquisador ainda indicou o passeio pelo Sítio Arqueológico Sambaqui da Tarioba. O lo…
Tudo ou nada" "Não quero ter ninguém contra a vontade.
Não quero ter ninguém só vez em quando.
Não quero ter ninguém com falsidade.
Não quero ter ninguém me incriminando.
Não quero ter ninguém pela metade.
Não quero ter ninguém se lamentando.
Não quero ter ninguém por vaidade.
Não quero ter ninguém me espionando.
Só quero ter alguém se for completo, onde os dois tenham o máximo prazer.
Algo claro, translúcido, direto.
Sem o medo d'alguma coisa errada.
Sem mentiras ou segredos pra esconder.
...E se não for assim!... Não quero nada..."