Pular para o conteúdo principal

Médica acreana presa em Pernambuco

A médica acreana Alessandra Bréa Moreno Dantas foi presa pela Polícia Federal na sexta-feira (1), em Caetés (PE).
Após concluir o curso de medicina em Pinar del Rio, com bolsa do governo de Cuba, voltou ao Acre, onde em diversas ocasiões procurou a Universidade Federal do Acre (Ufac) para tentar se regularizar.
Como todos sabem, os médicos formados no exterior sempre foram tratados com preconceito e descaso por um grupo da Ufac.
Alessandra Bréa tinha conquistado na Justiça o direito de trabalhar com registro provisório do Conselho Regional de Medicina (CRM). Como o registro expirou, a médica teve que deixar o Acre após a proibição de trabalhar também com um Termo de Ajuste de Conduta.
Ela já havia conseguido revalidar seu diploma pela Universidade Federal do Ceará, mas aguardava a burocracia enquanto fazia plantões em Caetés.
Infelizmente, Alessandra Bréa foi surpreendida pela Polícia Federal, após denúncia do CRM de Pernambuco, acusada de exercício ilegal da profissão.
Incrível tudo isso: enquanto faltam médicos nas nossas unidades de saúde, enquanto pessoas morrem por falta de atendimento, enquanto a Justiça não é feita, a Polícia Federal prende médica que estava salvando vidas.
Onde está a Justiça? Do lado do interesse do povo ou do lado do interesse de grupos?
O Acre continua sendo um dos Estados com menor número de médicos do Brasil, e um dos Estados com maior número de estudantes de medicina no exterior. A Ufac é uma das únicas universidades que nunca revalidou um único diploma até o dia de hoje. Considero isso um desrespeito.
Nossos políticos têm o dever de fazer algo imediatamente, a Assembleia Legislativa precisa se posicionar, pois não dá pra fingir que nada está acontecendo.
São milhares de famílias acreanas que estão investindo sonhos em seus filhos para estudar no exterior. Nós precisamos assegurar que amanhã nossos futuros médicos não estejam presos, como Alessandra Bréa, por lutar para exercer a sua profissão.
Estamos mobilizando muita gente para retirar Alessandra Bréa da Colônia Penal de Caetés. Ela está presa numa cela juntamente com pessoas perigosas. Isso é indigno. As leis e a justiça ainda andam muito distantes.
Janilson Lopes Leite é médico residente de infectologia da Ufac e Coordenador da Associação Médica Nacional Maíra Fachini.

0 comentários:

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

VAMOS ACABAR COM O DESMATAMENTO DA AMAZONIA E CONSERVAR A MACONHA

Casa de maconha é opção contra aquecimento global
No terceiro relatório divulgado pelas Nações Unidas sobre o aquecimento global, a construção de residências com tecnologia auto-sustentável foi considerada importante no conjunto de ações ambientalmente corretas. As "casas verdes", que usam tecnologia auto-sustentável tanto em sua estrutura externa como interna, seriam uma boa opção para diminuir os efeitos nocivos da indústria da construção civil.

Painéis solares que absorvem e geram energia para dentro dos cômodos, e paredes feitas de areia e água do mar são idéias que já começam a ser usadas em alguns países. Segundo o professor de arquitetura Tom Woolley, da Queen's University, em Belfast – capital da Irlanda do Norte, a folha do cânhamo – usada para produzir a maconha – é uma das alternativas para a construção de moradias, pelo seu baixo custo e sua característica auto-sustentável. Woolley afirmou que apenas um hectare da plantação é suficiente para construir uma ca…

Rio das Ostras promove I Fórum sobre Culturas Indígenas

Em comemoração ao Dia do Índio, 19 de abril, Rio das Ostras terá um evento que promete deixar os moradores mais próximos da realidade desses nossos precursores. Nos dias 18 e 19 de abril (sábado e domingo), o Núcleo de Educação Ambiental (Neam) do município promove a primeira edição do Fórum sobre Culturas Indígenas. A programação tem abertura às 14h de segunda-feira, com uma expedição ambiental ao Sítio Arqueológico Sambaqui da Tarioba. No restante do dia também haverá palestras e exibição de filmes sobre a vida de alguns povos indígenas que já habitaram o município.
O evento ajudará a manter viva a memória dos antigos habitantes da região, os índios Goytacazes. De acordo com o antropólogo da Fundação Rio das Ostras de Cultura, Jorge Pinheiro, há cerca de 500 todo o Norte Fluminense era habitado por tribos indígenas, que desapareceram no século XVII, por causa da epidemia de varíola. O pesquisador ainda indicou o passeio pelo Sítio Arqueológico Sambaqui da Tarioba. O lo…