Pular para o conteúdo principal

WikiLeaks: Para EUA, assembleia de Brasília é “refúgio de canalhas”


Cinco anos antes do mensalão do DEM, telegrama fazia um perfil de diversos parlamentares brasilienses envolvidos em escândalos
Um telegrama de agosto de 2004 descreve a cassação do mandato do deputado distrital Carlos Xavier (PMDB), o primeiro a perder o mandato na história da Câmara Legislativa do Distrito Federal.
Escrito por John Danilovich, embaixador americano no Brasil até 2005, o telegrama, intutulado “um malandro a menos na galeria” é irônco e pessimista. O diplomata considera a sentença um feito, “dada a notoriedade da Assembleia em ser um refúgio de canalhas”.
Deputado distrital por três mandatos, Carlos Xavier já havia sido acusado de subornar duas adolescentes a não depor contra o seu irmão em um caso de estupro em 1998. Em 2001, foi investigado pelo envolvimento em um esquema de grilagem de terras públicas que chegaram a valorizarem-se 50 vezes. No entanto, o que culminou em sua cassação foi o assassinato de um menor. Segundo o telegrama, o jovem trabalhou na campanha de Xavier de 2002 e havia mantido um caso sexual com a esposa do político.
Para Danilovich, era difícil saber se a medida era um primeiro impulso contra a impunidade ou se “meramente serviu para desenhar uma linha: que assassinos, pelo menos, não serão tolerados na Assembleia Distrital”.
Além dos casos de corrupção, Danilovich observa a baixa qualidade do trabalho da Assembleia. “Só nos primeiros três meses de 2004, o governador Roriz vetou 40 das matérias da assembleia por serem claramente inconstitucionais”, relata o embaixador.
Segundo ele, a casa passou meses discutindo a substituição do peixe Pirá-Brasília como animal símbolo do DF devido à descoberta da pratica de hermafroditismo na espécie. “Eu não tenho intenção de ficar aqui. Este lugar é uma não-instituição”, teria dito Érika Kokay, atualmente deputada federal do PT então no seu primeiro mandato de dois na Assembleia Distrital.
Os documentos são parte de 2.500 relatórios diplomáticos referentes ao Brasil ainda inéditos, que foram analisados por 15 jornalistas independentes e estão sendo publicados nesta semana pela agência Pública.
Marcus V F Lacerda, especial para a Pública
Poderá também gostar de:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOBRES

Abdias do Nascimento
"A revolução quilombista é fundamentalmente anti-racista, anticapitalista, antilatifundiária, antiimperialista e antineocolonialista"
Adam Clayton Powell
"A liberdade é uma conquista interna, em vez de um ajuste externo".
Aime Césaire
"Para um ser dilacerado por três séculos de aviltamento, o conhecimento de seu continente original restabelece sua dignidade, oferecendo-lhe uma ancestralidade que lhe fora confiscada"
Alice Walker
Não pode ser seu amigo quem exige seu silêncio ou atrapalha seu crescimento.
Alzira Rufino
Sou negra ponto final. Devolvo-me a identidade, rasgo a minha certidão. sou negra! sem reticências, sem vírgulas, sem ausências. Sou negra balacobaco. Sou negra noite cansaço
Amilcar Cabral
" Não vamos utilizar esta tribuna para dizer mal do imperialismo. Diz um ditado africano muito corrente nas nossas terras, onde o fogo é ainda um instrumento importante e um amigo traiçoeiro que quando a tua palhota arde, de nada serv…
ÚLTIMAS DE MUNDOCasa Branca proíbe 'NY Times', CNN e BBC de ir a coletiva de imprensa24/02/2017 16:44Juiz é designado para investigar candidato à Presidência da França24/02/2017 16:30Obama é celebrado por multidão ao aparecer de surpresa em Nova York24/02/2017 16:25Colisão de dois ônibus mata 13 pessoas e fere 34 na Argentina24/02/2017 16:04 RIO — Um documento de 35 páginas vazado pela imprensa americana na terça-feira contém supostas revelações constrangedoras sobre o republicano Donald Trump. O relatório — que teria sido escrito por um ex-agente britânico em caráter confidencial — não teve sua veracidade comprovada oficialmente, mas gerou uma forte polêmica nos EUA. Dentre as alegações no documento, estão supostas atividades sexuais do magnata nova-iorquino e detalhes sobre a sua relação com as autoridades russas antes mesmo de ser eleito presidente dos Estados Unidos. Logo após a divulgação do material, a Rússia negou ter informações comprometedoras sobre Trump. O republic…
Médica acreana presa em Pernambuco A médica acreana Alessandra Bréa Moreno Dantas foi presa pela Polícia Federal na sexta-feira (1), em Caetés (PE). Após concluir o curso de medicina em Pinar del Rio, com bolsa do governo de Cuba, voltou ao Acre, onde em diversas ocasiões procurou a Universidade Federal do Acre (Ufac) para tentar se regularizar. Como todos sabem, os médicos formados no exterior sempre foram tratados com preconceito e descaso por um grupo da Ufac. Alessandra Bréa tinha conquistado na Justiça o direito de trabalhar com registro provisório do Conselho Regional de Medicina (CRM). Como o registro expirou, a médica teve que deixar o Acre após a proibição de trabalhar também com um Termo de Ajuste de Conduta. Ela já havia conseguido revalidar seu diploma pela Universidade Federal do Ceará, mas aguardava a burocracia enquanto fazia plantões em Caetés. Infelizmente, Alessandra Bréa foi surpreendida pela Polícia Federal, após denúncia do CRM de Pernambuco, acusada de exe…