Pular para o conteúdo principal

Briga nos bailes aumenta preconceito


Marcela Munhoz
Diário do Grande ABC

0 comentário(s)

A discriminação é problema antigo, assim como ocorreu (e ainda ocorre) com samba, rap e hip hop, segundo Silvio Essinger, jornalista e autor do livro Batidão - Uma História do Funk. Vem da época em que os bailes viraram desculpa para brigas, o que ainda acontece.
Tanto que há discussões na Assembleia Legislativa de lá sobre os batidões nas favelas. "O governo e as prefeituras tentaram esconder o funk, mas só conseguiram marginalizá-lo. Proibir, vetar e prender funkeiros é absurdo", afirma MC Leonardo, que sonha em levar o movimbento a outro patamar. "Queremos respeito".
Segundo o MC, há funk de todo tipo e não dá para generalizar. "Há os que fazem apologia ao crime (estilo chamado Proibidão), mas não são todos. Trata-se de uma manifestão cultural brasileira legítima", explica Silvio. Funkeiros do Proibidão dizem que só relatam a realidade, o que não significa apologia. Já o teor sensual é uma das características essenciais do ritmo. "As ‘Mulheres Fruta' são subproduto do funk. É televisivo", diz o jornalista. Há quem acredite, inclusive, que a erotização do funk surgiu para amenizar a violência dos bailes.
Choque de culturas - A fama não impede de o ritmo ser motivo de reclamações por causa das letras e bailes de rua. Segundo a psicanalista Elizandra Souza, poucos conhecem o funk e sabem o que acontece nas favelas nem entendem o que os funkeiros querem dizer de verdade.
"Encaram como absurdo, mas é só uma forma de expressão, como tantas outras." O positivo, na opinião da psicanalista, é que reúne a comunidade. A forma como falam de sexo e violência faz parte da rotina deles, por isso, estão nas letras. "Se quem ouve não se sente recriminado, tudo certo."
É preciso respeitar o espaço do outro e dar oportunidade para entender o que está por trás do funk. "Não dá para apenas não aceitar. Tem de conhecer antes para tirar uma conclusão", afirma. MC Leonardo da Apafunk é enfático: "Quem tem preconceito tem que se tratar. Queremos acabar com a perseguição. Não dá para culpar o funk por tudo."

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOBRES

Abdias do Nascimento
"A revolução quilombista é fundamentalmente anti-racista, anticapitalista, antilatifundiária, antiimperialista e antineocolonialista"
Adam Clayton Powell
"A liberdade é uma conquista interna, em vez de um ajuste externo".
Aime Césaire
"Para um ser dilacerado por três séculos de aviltamento, o conhecimento de seu continente original restabelece sua dignidade, oferecendo-lhe uma ancestralidade que lhe fora confiscada"
Alice Walker
Não pode ser seu amigo quem exige seu silêncio ou atrapalha seu crescimento.
Alzira Rufino
Sou negra ponto final. Devolvo-me a identidade, rasgo a minha certidão. sou negra! sem reticências, sem vírgulas, sem ausências. Sou negra balacobaco. Sou negra noite cansaço
Amilcar Cabral
" Não vamos utilizar esta tribuna para dizer mal do imperialismo. Diz um ditado africano muito corrente nas nossas terras, onde o fogo é ainda um instrumento importante e um amigo traiçoeiro que quando a tua palhota arde, de nada serv…
ÚLTIMAS DE MUNDOCasa Branca proíbe 'NY Times', CNN e BBC de ir a coletiva de imprensa24/02/2017 16:44Juiz é designado para investigar candidato à Presidência da França24/02/2017 16:30Obama é celebrado por multidão ao aparecer de surpresa em Nova York24/02/2017 16:25Colisão de dois ônibus mata 13 pessoas e fere 34 na Argentina24/02/2017 16:04 RIO — Um documento de 35 páginas vazado pela imprensa americana na terça-feira contém supostas revelações constrangedoras sobre o republicano Donald Trump. O relatório — que teria sido escrito por um ex-agente britânico em caráter confidencial — não teve sua veracidade comprovada oficialmente, mas gerou uma forte polêmica nos EUA. Dentre as alegações no documento, estão supostas atividades sexuais do magnata nova-iorquino e detalhes sobre a sua relação com as autoridades russas antes mesmo de ser eleito presidente dos Estados Unidos. Logo após a divulgação do material, a Rússia negou ter informações comprometedoras sobre Trump. O republic…

chepor

chepor dilma...eagora Brasil...
La vida y obra del Che Guevara suscitó, en los años inmediatos después de su muerte, un notable número de biografías. Probablemente, ninguna personalidad histórica de este siglo luego de perecer recibió una atención tan extendida, numerosa y variada en biografías publicadas en tan breve tiempo. Sin embargo, la mayoría de estas biografías contribuyeron más a tergiversar que a explicar correctamente la vida del Che. Casi todas escritas en breve lapso, resultaron carentes de rigurosidad y seriedad. Sus autores cedieron al afán de lucro y de promoción individual, aprovechándose del interés universal que despertaba la personalidad del Guerrillero Heroico.  Algunos de ellos trabajaron por encargo de la Agencia Central de Inteligencia de los Estados Unidos (CIA) y otros hicieron diversas interpretaciones superficiales, capciosas e intencionadas, movidos por su ideología y valores políticos ajenos o contrarios al pensamiento y la acción del Che.
Cuando estaba …