Pular para o conteúdo principal

Em Cuba Simpósio Internacional de hip hop



PDFImprimirE-Mail
Havana,18 jul (Prensa Latina) Quase 70 artistas do Canadá, Estados Unidos, Haiti, Colômbia, França e Cuba assistem desde hoje aqui ao Simpósio Internacional de Hip Hop, que será realizada até próximo domingo 21.


  Considerado um encontro teórico de maior envergadura para os cultores deste pujante movimento na ilha, participam, entre outros, os canadenses Lou Piensa e Vox Sambou; os haitianos Mackend, Elli Manboungou e Enide Edouarin e os cubanos Inay Rodríguez Agramonte e Orlando Ochoa Méndez.


O foro dará abrigo a numerosos expoentes das quatro manifestações artísticas da cultura hip hop: rap, breakdance, DJ e graffiti.


Segundo o programado funcionarão oficinas orientados a promover os valores fundacionais desta expressão cultural, debater sobre as problemáticas que impedem uma maior projeção de suas cultores e encontrar estratégias para que as mulheres desempenhem um papel mais protagônico no movimento.


Este último aspecto tem constituído um dos principais reclamos das raperas nas diferentes edições do encontro


Nos dias teóricos sobressaem as oficinas de breakdance, gênero e expressão corporal, que serão dados pelo professor e coreógrafo francês, Jeison Touzeau, a psicólogaÂá Sandra Álvarez, diretora da revista Movimento, e a atriz de teatro Lourdes Suárez, diretora do Projeto Espelho, respectivamente.


Também serão exibidos os documentários Experiência de vida e Cicatrizes de ouro que recolhem, desde diferentes visões cinematográficas, o labor realizado nas comunidades pelos ativistas e cultores do hip hop.


As noites serão reservadas aos concertos no capitalino cinema Riviera, por cujos palcos passarão bandas locais como Obssessão, Anônimo Conselho e Rota 11, Golpe Seko e As Positivas, Acampamento Subterrâneo e Causa Justa.


Da cena internacional atuarão o grupo estadunidense Intikana e os colombianosÂá Luzia Vargas e JaisonÂá Alexander, entre outros.


Fundado em 2005 pelo já desaparecido projeto A Fábrica, integrado pelas bandas Obsesión, Hermanazos e a atriz de teatro Lourdes Suárez, o Simpósio tem atingido relevância internacional pela profundidade de seus debates, seu marcado interesse em promover os preceitos fundacionais desta cultura e a vocação social de seus participantes.


Em suas anteriores edições têm participado artistas de quase todas as províncias do país e vários dos principais grupos que defendem com critério próprio a bandeira do hip hop na ilha, como Duplo Fio, Anônimo Conselho, Hermanazos, Obsesión, Irmãos de Causa, e os Mcs( Maestros de Cerimônias)Âá Papa Humbertico e Danay Suárez.


A diferença de muitas partes da órbita, o hip hop em Cuba toma distância dos patrões de consumo da indústria cultural e mantém os princípios de fraternidade e de resistência existentes em suas origens, algo que é reconhecido por muitos de seus principais expoentes na esfera internacional.


Esta cultura nasceu na década do 60 do século passado, nos bairros afro-americanos dos Estados Unidos, como mecanismo de reafirmação da identidade cultural de seus habitantes e de resistência contra a segregação racial.


ag/mih/bj

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOBRES

Abdias do Nascimento
"A revolução quilombista é fundamentalmente anti-racista, anticapitalista, antilatifundiária, antiimperialista e antineocolonialista"
Adam Clayton Powell
"A liberdade é uma conquista interna, em vez de um ajuste externo".
Aime Césaire
"Para um ser dilacerado por três séculos de aviltamento, o conhecimento de seu continente original restabelece sua dignidade, oferecendo-lhe uma ancestralidade que lhe fora confiscada"
Alice Walker
Não pode ser seu amigo quem exige seu silêncio ou atrapalha seu crescimento.
Alzira Rufino
Sou negra ponto final. Devolvo-me a identidade, rasgo a minha certidão. sou negra! sem reticências, sem vírgulas, sem ausências. Sou negra balacobaco. Sou negra noite cansaço
Amilcar Cabral
" Não vamos utilizar esta tribuna para dizer mal do imperialismo. Diz um ditado africano muito corrente nas nossas terras, onde o fogo é ainda um instrumento importante e um amigo traiçoeiro que quando a tua palhota arde, de nada serv…
ÚLTIMAS DE MUNDOCasa Branca proíbe 'NY Times', CNN e BBC de ir a coletiva de imprensa24/02/2017 16:44Juiz é designado para investigar candidato à Presidência da França24/02/2017 16:30Obama é celebrado por multidão ao aparecer de surpresa em Nova York24/02/2017 16:25Colisão de dois ônibus mata 13 pessoas e fere 34 na Argentina24/02/2017 16:04 RIO — Um documento de 35 páginas vazado pela imprensa americana na terça-feira contém supostas revelações constrangedoras sobre o republicano Donald Trump. O relatório — que teria sido escrito por um ex-agente britânico em caráter confidencial — não teve sua veracidade comprovada oficialmente, mas gerou uma forte polêmica nos EUA. Dentre as alegações no documento, estão supostas atividades sexuais do magnata nova-iorquino e detalhes sobre a sua relação com as autoridades russas antes mesmo de ser eleito presidente dos Estados Unidos. Logo após a divulgação do material, a Rússia negou ter informações comprometedoras sobre Trump. O republic…

chepor

chepor dilma...eagora Brasil...
La vida y obra del Che Guevara suscitó, en los años inmediatos después de su muerte, un notable número de biografías. Probablemente, ninguna personalidad histórica de este siglo luego de perecer recibió una atención tan extendida, numerosa y variada en biografías publicadas en tan breve tiempo. Sin embargo, la mayoría de estas biografías contribuyeron más a tergiversar que a explicar correctamente la vida del Che. Casi todas escritas en breve lapso, resultaron carentes de rigurosidad y seriedad. Sus autores cedieron al afán de lucro y de promoción individual, aprovechándose del interés universal que despertaba la personalidad del Guerrillero Heroico.  Algunos de ellos trabajaron por encargo de la Agencia Central de Inteligencia de los Estados Unidos (CIA) y otros hicieron diversas interpretaciones superficiales, capciosas e intencionadas, movidos por su ideología y valores políticos ajenos o contrarios al pensamiento y la acción del Che.
Cuando estaba …