Pular para o conteúdo principal

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Se colocarmos que foram oito anos e nove meses de governo petista e que este aumentou a renda do trabalhador , a culpa é toda de FHC e gangue

RUY CASTROPobres lá e cá

RIO DE JANEIRO - Pelas últimas contas nos EUA, a crise econômica elevou para 46,2 milhões -15,1% da população- o número de americanos abaixo da linha de pobreza. Linha de pobreza, nos EUA, significa uma renda anual de US$ 22 mil -R$ 37 mil- para uma família de quatro pessoas. Com esse dinheiro, quatro brasileiros pobres viveriam muito bem por 5,5 anos.
Pobre nos EUA é quem recebe o equivalente a R$ 770 por mês. No Brasil, é quem ganha R$ 140. Isso faz com que os 46,2 milhões de pobres nos EUA sejam a enormidade de 80 milhões no Brasil -o que deveria bastar para qualquer ex-presidente brasileiro vivo (e ainda há vários por aí) se envergonhar de ter ocupado a cadeira por quatro ou oito anos e deixado tal legado.
Por sorte, tudo é relativo, e a engenhosidade brasileira faz com que, aqui, os números sejam uma coisa no papel e outra na vida real -porque ignoram os ganhos da informalidade. Ao mínimo de R$ 2 por veículo, quanto não fatura um flanelinha carioca que trabalhe dez horas por dia? A R$ 200 por cachorro, quanto não leva para casa um passeador de cachorros paulistano ao fim de 30 dias? E como calcular o que as pessoas simples, mas bem relacionadas, não faturam em Brasília por baixo da mesa? Sem falar nos contraventores, traficantes, bandidos e outros que ficam de fora das estatísticas.
Tudo isso quer dizer que sai mais em conta ser pobre no Brasil do que nos EUA -muito mais. Não esquecer também que o brasileiro pobre não precisa de dinheiro para sapato, agasalho ou trajes sociais -chinelo, camiseta e calção são perfeitamente aceitáveis. Já o americano pobre tem contra ele o inverno, além de eventuais atentados terroristas, terremotos e tufões.
O pior é que o branco americano pobre chega a ser quase um nababo, em comparação com os hispânicos e negros americanos pobres. Estes, sim, coitados.

0 comentários:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Médica acreana presa em Pernambuco A médica acreana Alessandra Bréa Moreno Dantas foi presa pela Polícia Federal na sexta-feira (1), em Caetés (PE). Após concluir o curso de medicina em Pinar del Rio, com bolsa do governo de Cuba, voltou ao Acre, onde em diversas ocasiões procurou a Universidade Federal do Acre (Ufac) para tentar se regularizar. Como todos sabem, os médicos formados no exterior sempre foram tratados com preconceito e descaso por um grupo da Ufac. Alessandra Bréa tinha conquistado na Justiça o direito de trabalhar com registro provisório do Conselho Regional de Medicina (CRM). Como o registro expirou, a médica teve que deixar o Acre após a proibição de trabalhar também com um Termo de Ajuste de Conduta. Ela já havia conseguido revalidar seu diploma pela Universidade Federal do Ceará, mas aguardava a burocracia enquanto fazia plantões em Caetés. Infelizmente, Alessandra Bréa foi surpreendida pela Polícia Federal, após denúncia do CRM de Pernambuco, acusada de exe…

Rio das Ostras promove I Fórum sobre Culturas Indígenas

Em comemoração ao Dia do Índio, 19 de abril, Rio das Ostras terá um evento que promete deixar os moradores mais próximos da realidade desses nossos precursores. Nos dias 18 e 19 de abril (sábado e domingo), o Núcleo de Educação Ambiental (Neam) do município promove a primeira edição do Fórum sobre Culturas Indígenas. A programação tem abertura às 14h de segunda-feira, com uma expedição ambiental ao Sítio Arqueológico Sambaqui da Tarioba. No restante do dia também haverá palestras e exibição de filmes sobre a vida de alguns povos indígenas que já habitaram o município.
O evento ajudará a manter viva a memória dos antigos habitantes da região, os índios Goytacazes. De acordo com o antropólogo da Fundação Rio das Ostras de Cultura, Jorge Pinheiro, há cerca de 500 todo o Norte Fluminense era habitado por tribos indígenas, que desapareceram no século XVII, por causa da epidemia de varíola. O pesquisador ainda indicou o passeio pelo Sítio Arqueológico Sambaqui da Tarioba. O lo…
Tudo ou nada" "Não quero ter ninguém contra a vontade.
Não quero ter ninguém só vez em quando.
Não quero ter ninguém com falsidade.
Não quero ter ninguém me incriminando.
Não quero ter ninguém pela metade.
Não quero ter ninguém se lamentando.
Não quero ter ninguém por vaidade.
Não quero ter ninguém me espionando.
Só quero ter alguém se for completo, onde os dois tenham o máximo prazer.
Algo claro, translúcido, direto.
Sem o medo d'alguma coisa errada.
Sem mentiras ou segredos pra esconder.
...E se não for assim!... Não quero nada..."