Pular para o conteúdo principal

Àsia...

Para manifestantes em Hong Kong, limpeza é sinal de determinação

Separação do lixo, coordenação para garantir suprimentos aos que ocupam ruas e avenidas e até pedidos de desculpas pelos transtornos marcam movimento que exige democracia

Foto 1 / 9
Ampliar Fotos
Milhares de manifestantes ocupam a rua principal que leva ao distrito financeiro de Wanchai, em frente à sede do governo de Hong Kong, na China. Os manifestantes pró-democracia lançaram uma campanha exigindo maiores liberdades na ex-colônia britânica
Milhares de manifestantes ocupam a rua principal que leva ao distrito financeiro de Wanchai, em frente à sede do governo de Hong Kong, na China. Os manifestantes pró-democracia lançaram uma campanha exigindo maiores liberdades na ex-colônia britânica - Bobby Yip/Reuters
Os milhares de moradores de Hong Kong que têm ocupado as ruas exigindo democracia mantêm um hábito em comum: manter limpo o local do protesto, reservando tempo até mesmo para separar materiais recicláveis. “Em uma área tão grande, se não cuidarmos bem do lixo, teremos problemas de higiene e desordem”, disse ao jornal The New York Times o estudante de medicina Sal-ching, de 21 anos de idade, enquanto ajudava a separar o lixo. “Nesse protesto, queremos mostrar nossa cidadania e nossa vontade de ter um governo democrático. Embora seja um gesto pequeno, essa limpeza mostra os valores que todos os cidadãos de Hong Kong deveriam ter”.
Os manifestantes querem o direito de eleger o chefe executivo local sem as barreiras impostas por Pequim, que pretende limitar a lista de candidatos a nomes pré-aprovados. A imprensa estatal considera os protestos uma conspiração orquestrada pelo Ocidente para derrubar o Partido Comunista. Inicialmente, afirma o NYT, as manifestações foram articuladas por organizações de acadêmicos e estudantes, mas o movimento cresceu e agora abriga demandas que vão de um diálogo com o governante indicado por Pequim, Leung Chun-ying, até sua renúncia imediata. Contudo, não há sinal de que as autoridades estejam dispostas a atender aos manifestantes. Leung Chun-ying disse nesta terça que as manifestações devem acabar “imediatamente”. Em resposta, os manifestantes ameaçaram ampliar o movimento e ocupar prédios públicos.
Caio Blinder: Revolução dos guarda-chuvas, em Hong Kong, é um jogo de paciência
Maya Wang, pesquisadora da ONG Human Rights Watch, disse ao jornal americano que a força dos protestos está na descentralização, o que impede que a prisão de alguns líderes esvazie o movimento. “A fraqueza está, é claro, na possibilidade de haver confusões e divisões conforme a situação evolui”. Embora o movimento não tenha líderes formais, alguns nomes já despontam, como o de Joshua Wong, um jovem magro de óculos, de apenas 17 anos de idade. Segundo a rede CNN, ele chegou a ser detido na última sexta-feira, ao invadir uma área do governo durante um protesto, e foi liberado no domingo.
Muitos participantes admitem que o movimento pode fracassar, mas outros afirmam que os protestos, com sua atenção à higiene e às boas maneiras – com direito a cartazes pedindo desculpas pela “inconveniência causada” aos moradores – é uma prova das boas intenções dos manifestantes. Um dos principais transtornos é o bloqueio do tráfego em vias importantes. Por outro lado, surgiu na região um "turismo de protesto", com visitantes sozinhos ou em grupo indo aos locais de ocupação registrar em fotos a movimentação, informou a rede CNN.
No início do dia, a movimentação é majoritariamente de estudantes universitários, aposentados e trabalhadores que tiraram o dia de folga. À noite, quando todos saem do trabalho e a temperatura é mais agradável, o número de participantes aumenta, fica mais barulhento e mais diversificado. Jovens fazem a lição de casa nas ruas e muitos dormem ao relento, voltando para casa de manhã para tomar banho e descansar um pouco.
Leia também:
EUA dizem apoiar 'aspirações do povo de Hong Kong'
Estudantes de Hong Kong boicotam aulas em protesto contra Pequim
Tarefas coordenadas – O uso da tecnologia e das redes sociais também está presente e ajuda a manter as coisas em ordem. Serviços de mensagens instantâneas auxiliam na busca de voluntários e medicamentos para tratar os efeitos decorrentes do uso de gás lacrimogêneo e gás de pimenta. As redes sociais também são um canal para os manifestantes saberem que tipo de suprimentos é necessário: água, biscoitos, máscaras e guarda-chuvas, que se tornaram o principal símbolo da que já está sendo chamada “Revolução dos Guarda-Chuvas”.
“Um guarda-chuva não parece ameaçador. Ele mostra como o povo de Hong Kong é indulgente, mas, quando você ultrapassa o limite, todos nos unimos, da mesma forma que os guarda-chuvas são abertos ao mesmo tempo quando chove”, filosofou Chloe Ho, estudante de história de 20 anos, que estava distribuindo maçãs, chocolate e lenços umedecidos para manifestantes que ocupavam uma

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOBRES

Abdias do Nascimento
"A revolução quilombista é fundamentalmente anti-racista, anticapitalista, antilatifundiária, antiimperialista e antineocolonialista"
Adam Clayton Powell
"A liberdade é uma conquista interna, em vez de um ajuste externo".
Aime Césaire
"Para um ser dilacerado por três séculos de aviltamento, o conhecimento de seu continente original restabelece sua dignidade, oferecendo-lhe uma ancestralidade que lhe fora confiscada"
Alice Walker
Não pode ser seu amigo quem exige seu silêncio ou atrapalha seu crescimento.
Alzira Rufino
Sou negra ponto final. Devolvo-me a identidade, rasgo a minha certidão. sou negra! sem reticências, sem vírgulas, sem ausências. Sou negra balacobaco. Sou negra noite cansaço
Amilcar Cabral
" Não vamos utilizar esta tribuna para dizer mal do imperialismo. Diz um ditado africano muito corrente nas nossas terras, onde o fogo é ainda um instrumento importante e um amigo traiçoeiro que quando a tua palhota arde, de nada serv…
ÚLTIMAS DE MUNDOCasa Branca proíbe 'NY Times', CNN e BBC de ir a coletiva de imprensa24/02/2017 16:44Juiz é designado para investigar candidato à Presidência da França24/02/2017 16:30Obama é celebrado por multidão ao aparecer de surpresa em Nova York24/02/2017 16:25Colisão de dois ônibus mata 13 pessoas e fere 34 na Argentina24/02/2017 16:04 RIO — Um documento de 35 páginas vazado pela imprensa americana na terça-feira contém supostas revelações constrangedoras sobre o republicano Donald Trump. O relatório — que teria sido escrito por um ex-agente britânico em caráter confidencial — não teve sua veracidade comprovada oficialmente, mas gerou uma forte polêmica nos EUA. Dentre as alegações no documento, estão supostas atividades sexuais do magnata nova-iorquino e detalhes sobre a sua relação com as autoridades russas antes mesmo de ser eleito presidente dos Estados Unidos. Logo após a divulgação do material, a Rússia negou ter informações comprometedoras sobre Trump. O republic…
Médica acreana presa em Pernambuco A médica acreana Alessandra Bréa Moreno Dantas foi presa pela Polícia Federal na sexta-feira (1), em Caetés (PE). Após concluir o curso de medicina em Pinar del Rio, com bolsa do governo de Cuba, voltou ao Acre, onde em diversas ocasiões procurou a Universidade Federal do Acre (Ufac) para tentar se regularizar. Como todos sabem, os médicos formados no exterior sempre foram tratados com preconceito e descaso por um grupo da Ufac. Alessandra Bréa tinha conquistado na Justiça o direito de trabalhar com registro provisório do Conselho Regional de Medicina (CRM). Como o registro expirou, a médica teve que deixar o Acre após a proibição de trabalhar também com um Termo de Ajuste de Conduta. Ela já havia conseguido revalidar seu diploma pela Universidade Federal do Ceará, mas aguardava a burocracia enquanto fazia plantões em Caetés. Infelizmente, Alessandra Bréa foi surpreendida pela Polícia Federal, após denúncia do CRM de Pernambuco, acusada de exe…