Pular para o conteúdo principal

Félix Contreras: um poeta da Revolução Cubana


Filho da miséria e da repressão da ditadura do general Fulgencio Batista, o poeta, escritor e jornalista Félix Contreras é um exemplo das profundas transformações que a Revolução Cubana promoveu na vida do povo da maior ilha do Caribe. Para quem assiste a uma de suas palestras é difícil imaginar como o menino que aos cinco anos de idade foi abandonado pela mãe — obrigada a se prostituir para comer — conquistou um futuro tão distante daquele que, teoricamente, o aguardava.

Por Mariana Viel

Além do abandono, o jovem Contreras sofreu ainda a angústia da escravidão, a insegurança da vida nas ruas e a dor da fome. Sua história é composta de diversos elementos ficcionais, que parecem só encontrar um sentido real quando ele passa a integrar uma célula clandestina da guerrilha cubana. Ele conta que tinha apenas 21 anos quando a Revolução Cubana triunfou e afirma orgulhoso que, de repente, o impossível deixou de existir. “Vocês não podem acreditar o que é viver o privilégio de uma Revolução. Tudo muda. Não posso explicar com palavras o que foi a Revolução Cubana. De repente para mim tudo era possível. O impossível não existia”.

Leia também:
A vitória da Revolução inaugurou uma série de profundas mudanças na vida do povo cubano, e uma delas em especial, a educação, foi responsável por mudar definitivamente o destino do escritor. “Sempre gostei muito de livros, queria estudar, conhecer culturas e visitar outros países. Eu falava com a minha avó que queria outra vida. Graças à Revolução terminei o primário, o secundário e fiz duas carreiras universitárias”.

Aos 70 anos de idade, Félix ministra palestras e aulas sobre a cultura cubana em diversos países do continente latino-americano e europeu. Entre as dezenas de livros publicados estão; El fulano tiempo, Cuaderno para el que va a nacer, Corazón semejante al tuyo e Album de la vida e os títulos de música Porque tienen filin (sobre a canções misturadas com o jazz), Música cubana: uma cuestíon personal e Yo conocí a Benny Moré — que reúne textos sobre a vida de um dos maiores expoentes da música cubana.

Em suas palestras, o escritor explica que a história da cultura e das mais variadas manifestações artísticas de Cuba não pode ser dissociada da vitoriosa história da luta de seu povo por independência. Segundo ele o próprio espírito da ilha é formado pela união entre liberdade e beleza. “Nossa cultura nasce das mesmas forças da independência. Para nós, cultura e independência são inseparáveis. A cultura cubana alcança sua cristalização, seu verdadeiro rosto, com as lutas de independência”.

Contreras ressalta que as principais figuras da independência de Cuba eram poetas e cita como exemplo máximo o grande mártir José Marti — político, pensador, jornalista e filósofo, criador do Partido Revolucionário Cubano (PRC) e organizador da Guerra de 1895.

Outro elemento fundamental para a formação da riqueza cultural da ilha é a mistura das tradições dos escravos africanos e seus colonizadores espanhóis. Para o poeta é justamente a união de tantos elementos distintos — que também se repetiu no Brasil e nos Estados Unidos — que concede à cultura desses países características tão peculiares.

“Onde as culturas se misturam saem as melhores culturas, porque une o melhor de cada uma delas. É isso que explica por que Cuba, Brasil e Estados Unidos têm as músicas mais significativas, ouvidas e dançadas do mundo. É onde mais se misturam todos os ritmos”. A presença da cultura dos escravos africanos é outro forte elemento dessa singularidade musical.

“Todas as culturas e todas as formas de expressão humana dos continentes africano e europeu ficam em um selo. Nos Estados Unidos através dos afro-norte-americanos, no Brasil com os afro-brasileiros e em Cuba com os afro-cubanos. Essa é uma demonstração de que onde há negros, há boa música. Nos Estados Unidos o jazz começou com os negros, as canções de amor românticas em Cuba nasceram nos barracões e no Brasil a música saiu dos negros da Bahia. Quando as culturas se misturam não há repressão”.

Durante uma palestra para estudantes dos cursos de História e Letras de uma faculdade de Bragança Paulista, a 90 km de São Paulo, na sexta-feira (20), ele falou sobre as tendências culturais de Cuba e ressaltou as transformações que o socialismo promoveu na maior ilha do Caribe.

Ao ser questionado por um dos alunos sobre a “falta de democracia em seu país”, o revolucionário foi taxativo. “Essa é a opinião de vocês. Não é a opinião do povo cubano. Cuba sempre realizou eleições, isso não se fala aqui. Cuba sempre fez eleições e Fidel sempre ganhou. O melhor serviço de saúde da América Latina está em Cuba e foi iniciado por Fidel Castro em 1961. Qualquer pessoa que for até lá pode comprovar. As melhores escolas de educação gratuita estão em Cuba. O primeiro país onde as mulheres se tornaram ministras foi Cuba. Isso tudo foi graças à Revolução”.

Vermelho: A história da cultura cubana se mistura à história da luta do povo cubano por liberdade?
Félix Contreras: Nossa cultura nasce das mesmas forças da independência. Para nós, cultura e independência são inseparáveis, são sinônimos. A cultura cubana alcança sua cristalização, seu verdadeiro rosto, com as lutas de independência. As principais figuras da independência cubana eram poetas. A principal figura da história de Cuba de todos os tempos é José Marti – que era um grande poeta. Estou falando da significação que tem a cultura cubana no espírito do povo cubano. O espírito de Cuba é essa mistura de liberdade com beleza. O patrimônio cultural cubano tem suas raízes nas tradições artísticas e literárias. O primeiro e maior romance cubano chama-se Cecília Valdés, e foi escrito pelo médico revolucionário Cirilo Villaverde – melhor amigo de José Marti. É um romance muito importante porque é um retrato de como era a sociedade cubana no século 19.

Vermelho: Durante a palestra você afirma que Brasil, Estados Unidos e Cuba possuem a música mais importante do mundo. Quais elementos concedem essa característica tão especial a esses países?
FC: É onde mais se misturam todos os ritmos. Todas as culturas e todas as formas de expressão humana dos continentes africano e europeu ficam em um selo. Nos Estados Unidos através dos afro-norte-americanos, no Brasil com os afro-brasileiros e em Cuba com os afro-cubanos. Onde as culturas se misturam saem as melhores culturas, porque une o melhor de cada uma delas. É isso que explica por que Cuba, Brasil e Estados Unidos têm as músicas mais significativas, ouvidas e dançadas do mundo. Uma coisa muito importante também é a presença dos negros. Essa é uma demonstração de que onde há negros, há boa música. Nos Estados Unidos o jazz começou com os negros, as canções de amor românticas em Cuba nasceram nos barracões e no Brasil a música saiu dos negros da Bahia. Quando as culturas se misturam não há repressão.

Vermelho: Como essa mistura de culturas influenciou o jazz?
FC: O jazz que chega na ilha nos anos 20 é um jazz negro, mas com muita influência branca, sobretudo na harmonia. Tem muito da harmonia da música francesa chamada impressionismo. A música francesa, depois de Claude Debussy mudou muito: uma harmonia mais complexa. E é esse jazz que chega em Cuba na década de 1920. Só que o jazz quando chega a Havana e encontra a música cubana muda novamente. Na década de 1940, quando nosso maior percussionista, Chano Pozo, vai com seus tambores para Nova Iorque, os músicos de jazz brancos e negros ficaram loucos. Então o jazz norte-americano se converteu em latin-jazz.

Vermelho: Ao mesmo tempo em que os Estados Unidos levam para Cuba importantes elementos culturais, o imperialismo norte-americano tem uma ação devastadora na ilha. É possível diferenciar as influências positivas e negativas?
FC: Nós assimilamos muito da cultura norte-americana. O jeito do conto cubano vem do conto dos Estados Unidos. Na década de 1930 os escritores cubanos começaram a escrever a partir do esquema do conto curto, que era norte americano, e daí nascem os maiores contos da década de 1940 e 1950 da América Latina, que são os contos cubanos. A cultura norte-americana em Cuba foi muito boa. Cuba tem esse jeito muito especial em sua cultura, nós nunca misturamos política norte-americana com cultura. A cultura norte-americana é produto de um povo, de pobres e ricos — como todas as culturas do mundo. As culturas são iguais, todas têm seus jeitos e todas são boas. O que não é bom é o poder do governo, do império, que usa essa cultura para sua conveniência. Mas o povo cubano sabe distinguir bem o que é cultura e o que é império norte-americano.

Vermelho: As mentiras sobre a falta de liberdade em Cuba te incomodam?
FC: Essa é uma mentira saída de uma necessidade muito grande que têm os Estados Unidos. A principal necessidade do império norte-americano é que Cuba desapareça. Cuba é o pior exemplo que há no mundo para eles porque a Revolução Cubana mostra aos povos da América Latina que o socialismo é melhor. Cuba não quis uma revolução reformista, quis uma revolução radical. Os Estados Unidos sempre estão pedindo aos diplomatas cubanos, nos encontros internacionais, que Cuba seja mais flexível. A Revolução Cubana incomoda os Estados Unidos, porque a partir de 1959 a esquerda latino-americana teve um exemplo muito próximo de como é possível mudar um país. E essa é uma pedra no sapato que eles não aguentam mais.

Vermelho: Entre as mentiras amplamente difundidas no Brasil e em diversos outros países do mundo está a questão da liberdade de imprensa em Cuba. Como você vê essa situação em Cuba e em outros países da América Latina?
FC: Esse é outro mito que se fala aqui: ‘Cuba não há liberdade de imprensa’. Liberdade de imprensa para quem? Só não falam para quem eles querem liberdade. A coisa tem nome e sobrenome. Liberdade de imprensa para o patrão ou para o operário? Operário não vê a liberdade de imprensa como o patrão. Liberdade de imprensa não é algo abstrato, liberdade de imprensa tem um fato concreto. Estou seguro de que o dono da Folha de São Paulo não tem a mesma opinião que eu. Meu conceito de liberdade de imprensa é o do jornalismo do operário, que fala de suas necessidades e de exploração. A burguesia não tem a mesma opinião sobre liberdade de imprensa que os operários. As pessoas nunca falam isso porque manipulam o conceito de liberdade de imprensa.

Outra grande manipulação, que tem um fato concreto, é a ideia de que o cubano quer sair da ilha. As pessoas não fazem avaliações com sentido histórico. Tudo acontece no marco da história. As pessoas retiram um fato, que tem um sentido histórico, e falam que os cubanos querem fugir da ilha. O que aconteceu foi uma emigração econômica e não política. Toda a história da Revolução Cubana muda a partir de 1989, com a queda do Muro de Berlin, da União Soviética.

A economia cubana se apoiava cerca de 80% na União Soviética. Cerca de 84% das exportações eram feitas para a União Soviética. Nos anos 1990 em Cuba acabaram as reservas de alimentos, de petróleo, de tudo. Os anos 1991 e 1992 foram os mais dramáticos de toda a história de Cuba. Transformávamos os móveis em combustíveis para cozinhar aquilo que conseguíamos. Passamos uma fome terrível. Apareceu a prostituição e apareceu também um turismo de que eu tenho ódio, mas que foi um câncer necessário. Um fato importante é que as únicas putas no planeta terra que tinham diploma universitário eram as cubanas.

A crise foi espantosa. Mais de 14 mil pessoas morreram tentando chegar aos Estados Unidos. E o governo norte-americano o que fez? Pegou uma lei que dizia que os cubanos que chegassem aos EUA teriam direito a dinheiro,
casa, carro e tudo mais. Mas os cubanos não estavam fugindo do socialismo cubano. Não foi uma fuga política e sim uma fuga econômica.

Vermelho: Como você se posiciona em relação às mudanças no rumo político, econômico e social cubano aprovadas no 6º Congresso do Partido Comunista de Cuba (PCC)?
FC: O povo cubano sempre apoiou as transformações. Agora a Revolução Cubana está fazendo mudanças que são muito necessárias. Antes nós não podíamos fazer essas mudanças porque não havia estabilidade social. Agora sim, estamos fazendo mudanças necessárias na economia. Com o passar dos anos algumas coisas ficam velhas. Um processo revolucionário deve continuar promovendo mudanças sempre.

Félix Contreras: Meus poemas brasileiros


Este poema
 
Para ganhar a vida
escrevo este poema
olhando o que se foi
e como sempre
o que há que escolher

Para ganhar a vida
escrevo este poema
enquanto minha infância
uiva no fundo destas palavras


Neste papel

Neste papel estão meus dedos
e outros que fizeram a cerâmica
os que arrancam os motores com ternura.
Neste papel
junto com os meus
estão os que fizeram minha morada
a escritura
e as coisas que me olham.
Neste papel
estão também
os dedos
que permitem aos meus
mover minhas mãos
neste moinho da vida


Manuel Bandeira

Com curiosidade sentimental procurei em Recife
a Manuel Bandeira
e as provincianas rosas que exalam de seus poemas
me acompanharam Verlaine, Guimarães Rosa,
Vinícius de Morais,
Mário de Andrade e o variado Fernando Pessoa
Mas
Manuel Bandeira andava arrumando o mundo
pedindo governos honestos soldados e coroneis
com honradez dos monumentos das praças
ruas sem misérias
mares sem sargaços letais águas limpas
mães para crianças meninas
e manhãs
para gente que procura vida


A chuva na Paraíba

A chuva na Paraíba sonha
na profundidade dos olhos
a chuva aqui se esqueceu de tudo nesta terra
tanto como seus políticos de sua gente
gente tão pobre como um punhado de cinzas
é tão breve a chuva aqui como a felicidade do pobre
gente que se põe a chorar todos de uma vez
viria o naufrágio
têm mais pranto nos olhos
que todas as nuvens do céu


Extraído do livreto Meus poemas brasileiros

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOBRES

Abdias do Nascimento
"A revolução quilombista é fundamentalmente anti-racista, anticapitalista, antilatifundiária, antiimperialista e antineocolonialista"
Adam Clayton Powell
"A liberdade é uma conquista interna, em vez de um ajuste externo".
Aime Césaire
"Para um ser dilacerado por três séculos de aviltamento, o conhecimento de seu continente original restabelece sua dignidade, oferecendo-lhe uma ancestralidade que lhe fora confiscada"
Alice Walker
Não pode ser seu amigo quem exige seu silêncio ou atrapalha seu crescimento.
Alzira Rufino
Sou negra ponto final. Devolvo-me a identidade, rasgo a minha certidão. sou negra! sem reticências, sem vírgulas, sem ausências. Sou negra balacobaco. Sou negra noite cansaço
Amilcar Cabral
" Não vamos utilizar esta tribuna para dizer mal do imperialismo. Diz um ditado africano muito corrente nas nossas terras, onde o fogo é ainda um instrumento importante e um amigo traiçoeiro que quando a tua palhota arde, de nada serv…
ÚLTIMAS DE MUNDOCasa Branca proíbe 'NY Times', CNN e BBC de ir a coletiva de imprensa24/02/2017 16:44Juiz é designado para investigar candidato à Presidência da França24/02/2017 16:30Obama é celebrado por multidão ao aparecer de surpresa em Nova York24/02/2017 16:25Colisão de dois ônibus mata 13 pessoas e fere 34 na Argentina24/02/2017 16:04 RIO — Um documento de 35 páginas vazado pela imprensa americana na terça-feira contém supostas revelações constrangedoras sobre o republicano Donald Trump. O relatório — que teria sido escrito por um ex-agente britânico em caráter confidencial — não teve sua veracidade comprovada oficialmente, mas gerou uma forte polêmica nos EUA. Dentre as alegações no documento, estão supostas atividades sexuais do magnata nova-iorquino e detalhes sobre a sua relação com as autoridades russas antes mesmo de ser eleito presidente dos Estados Unidos. Logo após a divulgação do material, a Rússia negou ter informações comprometedoras sobre Trump. O republic…
Médica acreana presa em Pernambuco A médica acreana Alessandra Bréa Moreno Dantas foi presa pela Polícia Federal na sexta-feira (1), em Caetés (PE). Após concluir o curso de medicina em Pinar del Rio, com bolsa do governo de Cuba, voltou ao Acre, onde em diversas ocasiões procurou a Universidade Federal do Acre (Ufac) para tentar se regularizar. Como todos sabem, os médicos formados no exterior sempre foram tratados com preconceito e descaso por um grupo da Ufac. Alessandra Bréa tinha conquistado na Justiça o direito de trabalhar com registro provisório do Conselho Regional de Medicina (CRM). Como o registro expirou, a médica teve que deixar o Acre após a proibição de trabalhar também com um Termo de Ajuste de Conduta. Ela já havia conseguido revalidar seu diploma pela Universidade Federal do Ceará, mas aguardava a burocracia enquanto fazia plantões em Caetés. Infelizmente, Alessandra Bréa foi surpreendida pela Polícia Federal, após denúncia do CRM de Pernambuco, acusada de exe…