Pular para o conteúdo principal

O mal que faz a inveja e a mesquinhez. Esse homem foi caçado e cassado pelos incompetentes

JK no exílio estreia em sessão especial
Documentário que retrata o período em que o ex-presidente viveu na França é exibido para plateia de familiares e amigos de Juscelino Kubitschek
BRUNO SILVA

Parentes, ex-parceiros de trabalho e o governador do DF prestigiaram a exibição do filme na noite de ontem (Paulo de Araújo/CB/D.A Press)
Parentes, ex-parceiros de trabalho e o governador do DF prestigiaram a exibição do filme na noite de ontem

O lançamento do documentário JK no exílio ganhou ares de tributo à memória do homem responsável pela criação da capital federal. O filme, que estreou em Diamantina (MG) no último dia 10 e foi exibido pela primeira vez em Brasília na noite de ontem, foi a atração principal de uma cerimônia ocorrida na noite de ontem no Museu Nacional, que reuniu amigos e familiares do ex-presidente falecido em 1976.

O documentário tem como objetivo aproximar os espectadores do homem-mito, narrando uma das passagens mais tristes e esquecidas de sua vida: o exílio na França, à época em que teve o mandato cassado pela ditadura militar. “O filme tem duas missões: dar a importância devida ao exílio de JK, que sempre foi colocado como algo sem importância, mas foi o momento mais cruel da vida dele”, contou o diretor do filme, Charles Cesconetto, que espera dar mais dignidade à imagem do político. “Ele é um exemplo para as futuras gerações”, completou.

Na cerimônia, também estiveram presentes familiares de Juscelino, como a filha, Maria Estela Kubitschek, que participou das gravações do documentário e ressaltou ao Correio a importância de mostrar ao público histórias como a de Maria Alice, secretária do ex-presidente que foi perseguida pela ditadura por sua proximidade com JK. “O mais importante é o resgate da memória de várias pessoas que partiram para o exílio e não são lembradas pela população”, ressaltou. Maria Alice vive, até hoje, fora do Brasil, em um asilo da Cruz Vermelha em Lisboa.

Também presente, Anna Christina Kubitschek, neta de Juscelino e diretora do Memorial JK, disse que seria difícil segurar a emoção: “Estou até com um lenço na bolsa”. Ela já havia visto partes do documentário e revelou que o vídeo mostra fatos inéditos até para a família. “Meu avô nunca nos contou, para nos poupar”, relembrou.

Além dos familiares, amigos do ex-presidente também marcaram presença, como o diplomata aposentado Paulo Tarso Flecha de Lima. “Como trabalhei com o presidente JK, vi de perto essa fase triste da família. Venho com muita emoção, e não poderia deixar de estar presente”, afirmou. O coronel Affonso Heliodoro, conterrâneo de JK, foi homenagear o amigo. “O filme é muito importante porque mostra às pessoas o quanto ele sofreu fora do Brasil”, apontou.

Entre os convidados estava o governador do DF, Agnelo Queiroz, que fez questão de homenagear o homem responsável pela construção da cidade que hoje ele governa. “O filme vem resgatar passagens da vida de JK que nós não temos conhecimento, sobretudo o sentimento dele por Brasília depois do exílio e após visitar a capital que ele construiu muitos anos depois”, disse.

0 comentários:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

NOBRES

Abdias do Nascimento
"A revolução quilombista é fundamentalmente anti-racista, anticapitalista, antilatifundiária, antiimperialista e antineocolonialista"
Adam Clayton Powell
"A liberdade é uma conquista interna, em vez de um ajuste externo".
Aime Césaire
"Para um ser dilacerado por três séculos de aviltamento, o conhecimento de seu continente original restabelece sua dignidade, oferecendo-lhe uma ancestralidade que lhe fora confiscada"
Alice Walker
Não pode ser seu amigo quem exige seu silêncio ou atrapalha seu crescimento.
Alzira Rufino
Sou negra ponto final. Devolvo-me a identidade, rasgo a minha certidão. sou negra! sem reticências, sem vírgulas, sem ausências. Sou negra balacobaco. Sou negra noite cansaço
Amilcar Cabral
" Não vamos utilizar esta tribuna para dizer mal do imperialismo. Diz um ditado africano muito corrente nas nossas terras, onde o fogo é ainda um instrumento importante e um amigo traiçoeiro que quando a tua palhota arde, de nada serv…
ÚLTIMAS DE MUNDOCasa Branca proíbe 'NY Times', CNN e BBC de ir a coletiva de imprensa24/02/2017 16:44Juiz é designado para investigar candidato à Presidência da França24/02/2017 16:30Obama é celebrado por multidão ao aparecer de surpresa em Nova York24/02/2017 16:25Colisão de dois ônibus mata 13 pessoas e fere 34 na Argentina24/02/2017 16:04 RIO — Um documento de 35 páginas vazado pela imprensa americana na terça-feira contém supostas revelações constrangedoras sobre o republicano Donald Trump. O relatório — que teria sido escrito por um ex-agente britânico em caráter confidencial — não teve sua veracidade comprovada oficialmente, mas gerou uma forte polêmica nos EUA. Dentre as alegações no documento, estão supostas atividades sexuais do magnata nova-iorquino e detalhes sobre a sua relação com as autoridades russas antes mesmo de ser eleito presidente dos Estados Unidos. Logo após a divulgação do material, a Rússia negou ter informações comprometedoras sobre Trump. O republic…

chepor

chepor dilma...eagora Brasil...
La vida y obra del Che Guevara suscitó, en los años inmediatos después de su muerte, un notable número de biografías. Probablemente, ninguna personalidad histórica de este siglo luego de perecer recibió una atención tan extendida, numerosa y variada en biografías publicadas en tan breve tiempo. Sin embargo, la mayoría de estas biografías contribuyeron más a tergiversar que a explicar correctamente la vida del Che. Casi todas escritas en breve lapso, resultaron carentes de rigurosidad y seriedad. Sus autores cedieron al afán de lucro y de promoción individual, aprovechándose del interés universal que despertaba la personalidad del Guerrillero Heroico.  Algunos de ellos trabajaron por encargo de la Agencia Central de Inteligencia de los Estados Unidos (CIA) y otros hicieron diversas interpretaciones superficiales, capciosas e intencionadas, movidos por su ideología y valores políticos ajenos o contrarios al pensamiento y la acción del Che.
Cuando estaba …