Pular para o conteúdo principal

O mal que faz a inveja e a mesquinhez. Esse homem foi caçado e cassado pelos incompetentes

JK no exílio estreia em sessão especial
Documentário que retrata o período em que o ex-presidente viveu na França é exibido para plateia de familiares e amigos de Juscelino Kubitschek
BRUNO SILVA

Parentes, ex-parceiros de trabalho e o governador do DF prestigiaram a exibição do filme na noite de ontem (Paulo de Araújo/CB/D.A Press)
Parentes, ex-parceiros de trabalho e o governador do DF prestigiaram a exibição do filme na noite de ontem

O lançamento do documentário JK no exílio ganhou ares de tributo à memória do homem responsável pela criação da capital federal. O filme, que estreou em Diamantina (MG) no último dia 10 e foi exibido pela primeira vez em Brasília na noite de ontem, foi a atração principal de uma cerimônia ocorrida na noite de ontem no Museu Nacional, que reuniu amigos e familiares do ex-presidente falecido em 1976.

O documentário tem como objetivo aproximar os espectadores do homem-mito, narrando uma das passagens mais tristes e esquecidas de sua vida: o exílio na França, à época em que teve o mandato cassado pela ditadura militar. “O filme tem duas missões: dar a importância devida ao exílio de JK, que sempre foi colocado como algo sem importância, mas foi o momento mais cruel da vida dele”, contou o diretor do filme, Charles Cesconetto, que espera dar mais dignidade à imagem do político. “Ele é um exemplo para as futuras gerações”, completou.

Na cerimônia, também estiveram presentes familiares de Juscelino, como a filha, Maria Estela Kubitschek, que participou das gravações do documentário e ressaltou ao Correio a importância de mostrar ao público histórias como a de Maria Alice, secretária do ex-presidente que foi perseguida pela ditadura por sua proximidade com JK. “O mais importante é o resgate da memória de várias pessoas que partiram para o exílio e não são lembradas pela população”, ressaltou. Maria Alice vive, até hoje, fora do Brasil, em um asilo da Cruz Vermelha em Lisboa.

Também presente, Anna Christina Kubitschek, neta de Juscelino e diretora do Memorial JK, disse que seria difícil segurar a emoção: “Estou até com um lenço na bolsa”. Ela já havia visto partes do documentário e revelou que o vídeo mostra fatos inéditos até para a família. “Meu avô nunca nos contou, para nos poupar”, relembrou.

Além dos familiares, amigos do ex-presidente também marcaram presença, como o diplomata aposentado Paulo Tarso Flecha de Lima. “Como trabalhei com o presidente JK, vi de perto essa fase triste da família. Venho com muita emoção, e não poderia deixar de estar presente”, afirmou. O coronel Affonso Heliodoro, conterrâneo de JK, foi homenagear o amigo. “O filme é muito importante porque mostra às pessoas o quanto ele sofreu fora do Brasil”, apontou.

Entre os convidados estava o governador do DF, Agnelo Queiroz, que fez questão de homenagear o homem responsável pela construção da cidade que hoje ele governa. “O filme vem resgatar passagens da vida de JK que nós não temos conhecimento, sobretudo o sentimento dele por Brasília depois do exílio e após visitar a capital que ele construiu muitos anos depois”, disse.

0 comentários:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Médica acreana presa em Pernambuco A médica acreana Alessandra Bréa Moreno Dantas foi presa pela Polícia Federal na sexta-feira (1), em Caetés (PE). Após concluir o curso de medicina em Pinar del Rio, com bolsa do governo de Cuba, voltou ao Acre, onde em diversas ocasiões procurou a Universidade Federal do Acre (Ufac) para tentar se regularizar. Como todos sabem, os médicos formados no exterior sempre foram tratados com preconceito e descaso por um grupo da Ufac. Alessandra Bréa tinha conquistado na Justiça o direito de trabalhar com registro provisório do Conselho Regional de Medicina (CRM). Como o registro expirou, a médica teve que deixar o Acre após a proibição de trabalhar também com um Termo de Ajuste de Conduta. Ela já havia conseguido revalidar seu diploma pela Universidade Federal do Ceará, mas aguardava a burocracia enquanto fazia plantões em Caetés. Infelizmente, Alessandra Bréa foi surpreendida pela Polícia Federal, após denúncia do CRM de Pernambuco, acusada de exe…

Rio das Ostras promove I Fórum sobre Culturas Indígenas

Em comemoração ao Dia do Índio, 19 de abril, Rio das Ostras terá um evento que promete deixar os moradores mais próximos da realidade desses nossos precursores. Nos dias 18 e 19 de abril (sábado e domingo), o Núcleo de Educação Ambiental (Neam) do município promove a primeira edição do Fórum sobre Culturas Indígenas. A programação tem abertura às 14h de segunda-feira, com uma expedição ambiental ao Sítio Arqueológico Sambaqui da Tarioba. No restante do dia também haverá palestras e exibição de filmes sobre a vida de alguns povos indígenas que já habitaram o município.
O evento ajudará a manter viva a memória dos antigos habitantes da região, os índios Goytacazes. De acordo com o antropólogo da Fundação Rio das Ostras de Cultura, Jorge Pinheiro, há cerca de 500 todo o Norte Fluminense era habitado por tribos indígenas, que desapareceram no século XVII, por causa da epidemia de varíola. O pesquisador ainda indicou o passeio pelo Sítio Arqueológico Sambaqui da Tarioba. O lo…
Tudo ou nada" "Não quero ter ninguém contra a vontade.
Não quero ter ninguém só vez em quando.
Não quero ter ninguém com falsidade.
Não quero ter ninguém me incriminando.
Não quero ter ninguém pela metade.
Não quero ter ninguém se lamentando.
Não quero ter ninguém por vaidade.
Não quero ter ninguém me espionando.
Só quero ter alguém se for completo, onde os dois tenham o máximo prazer.
Algo claro, translúcido, direto.
Sem o medo d'alguma coisa errada.
Sem mentiras ou segredos pra esconder.
...E se não for assim!... Não quero nada..."